Instalação Ubuntu 18.04 e Windows 10 Dual Boot UEFI

Nesse tutorial será explicado como fazer uma instalação do Ubuntu 18.04 em Dual Boot com Windows 10 em Computadores/Notebooks com UEFI.

O EFI inicializa carregando arquivos de programa EFI (com extensões de nome de arquivo .efi ) de uma partição no disco rígido usa a tabela de partição GUID (GPT) que oferece entradas de 64 bits em sua tabela, ampliando dramaticamente o suporte para possibilidades de tamanho.

 

Obs.: Esse tutorial será feito com o Secure Boot ativadoUEFI habilitado, ou seja, tanto o Ubuntu 18.04 quanto o Windows 10  em modo UEFI.

Formatando o pendrive

Antes de instalar é preciso formatar e criar corretamente o pendrive para que seja reconhecido pelo Notebook.

No Windows use o Rufus ou Etcher, que já deixarão o pendrive pronto para ser usado.

No Linux, como no Ubuntu ou Fedora para formatar use o GParted  ou KDE Partition Manager.

 

No Windows

  • Desativar inicialização rápida (Fast Startup): a inicialização rápida pode impedir a inicialização do pendrive do Ubuntu 18.04 , portanto, você pode precisar desabilitá-la:
  1. Digite Opções de energia na caixa de pesquisa e pressione Enter;
  2. Selecione Escolher a função dos botões de energia;
  3. Clique em Alterar configurações não disponíveis no momento;
  4. Role para baixo para Configurações de desligamento, e desmarque a opção Ligar inicialização rápida, para desativar a função;
  5. Clique em Salvar alterações.

Veja a imagem abaixo:

6dualboot-disable-fastboot4

  • Redimencionar a partição do Windows 10: A ferramenta utilizada para encolher partições Windows é “Gerenciamento de Disco“.

Para iniciar o “Gerenciamento de Disco“, clique direito sobre o botão Iniciar do Windows no canto inferior esquerdo da tela e clique sobre a opção “Gerenciamento de Disco“.

Clique com o botão direito do mouse na unidade que deseja encolher e clique em “Diminuir volume”. Não encolha o drive ‘C’.
Agora digite a quantidade de espaço que você deseja encolher em ‘MB’ e não ‘GB’ e, finalmente, clique na opção “Shrink“.

imagem 2

Redimensione e deixe a nova partição para o Ubuntu 18.04 com pelo menos 50 Gb.

Instalando o Ubuntu 18.04

Quando a primeira tela de inicialização aparecer, você terá a tela preta que indica a inicialização do Ubuntu 18.04 em modo UEFI.

Ubuntu 1

Idioma: Escolha o idioma: Português do Brasil;

Ubuntu 2

Layout do Teclado: Português e Português do Brasil;

Ubuntu 3

Preparando para instalar o Ubuntu: marque se deseja instalar o software de terceiros para gráficos e hardware WI-FI, Flash, MP3 e outros meios de comunicação. Clique em Continue;

Tipo de Instalação: Vamos pela opção: Something Else (Algo mais) para criar as partições do Ubuntu 18.04 manualmente;

imagem 3

Agora podemos ver todas as partições, mas o tipo (sistema de arquivos) nos ajuda a saber diretamente quais partições usar. Você pode ver uma partição EFI que está presente, é a partição de inicialização do Windows 10. Normalmente, para uma única instalação do Ubuntu 18.04, você precisaria criar uma partição de inicialização EFI que seria usada, mas como ela já está presente por causa do Windows 10, não é necessário criar uma nova.

Atenção quando for escolher o seu Disco Rígido (HD) para instalar o Ubuntu 18.04, nesse exemplo é /dev/sdb.

install_ubuntu_5

Depois de selecionar o disco rígido adequado, você deve selecionar o espaço livre para criar a partição /root. Pressione o botão (+) para criar uma nova partição de disco. Será criado uma partição raiz de 8 GB, que é 8192 MB.

install_ubuntu_6

Agora você tem que criar a partição /home, mas o ponto de montagem será /home, desta vez, atribua todo o espaço livre disponível para essa partição.

install_ubuntu_create_home

Está finalizado o particionamento do Disco Rígido, como na imagem abaixo. Então clique em Instalar agora.

install_ubuntu_7

Em seguida, o instalador perguntará: Você deseja retornar ao menu de particionamento? Claro que não, basta pressionar o botão Continuar.

install_ubuntu_8

O instalador do Ubuntu irá perguntar-lhe novamente: Escreva as alterações no disco? Basta pressionar o botão Continuar.

install_ubuntu_9

Localização: Agora você pode configurar sua localização exata. Ao especificar sua localização exata, você permitirá que o Ubuntu se comunique com os repositórios mais próximos para instalação e atualizações de pacotes.

iamgem 8

Criando o usuário: Nesta tela, escolha um nome de usuário e senha (aplicável também ao sudo) para sua conta de usuário. Além disso, defina um nome de host para o seu sistema e, em seguida, clique no botão Continuar para iniciar a instalação.

imagem 9

Quando a instalação estiver concluída, clique em Reiniciar agora para reiniciar a máquina.

imagem 10

Após a reinicialização do sistema, você terá o menu Grub, onde você verá tanto o Ubuntu quanto o Windows.

O sistema operacional padrão é o Ubuntu. Pressione Enter enquanto sua seleção é Ubuntu para inicializar no Ubuntu 18.04.

ubuntu_dual_boot_grub_menu

 

Referências:

LinOxidehttps://linoxide.com/distros/install-ubuntu-18-04-dual-boot-windows-10

It’z Geekhttps://www.itzgeek.com/how-tos/linux/ubuntu-how-tos/how-to-install-ubuntu-18-04-alongside-with-windows-10-or-8-in-dual-boot.html

PCSuggesthttps://www.pcsuggest.com/dual-boot-windows-10-and-ubuntu-uefi/

Até a próxima!

Dicas de pós instalação para o Ubuntu 18.04

A Canonical anunciou oficialmente no dia 26 de abril o Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver) que chega com diversas novidades e melhorias. Para deixar tudo ainda melhor, separamos para você algumas dicas para se fazer após instalar o novo Ubuntu, que vão desde sugestões de bom senso e ajustes bacanas a conselhos úteis. Isso é ótimo especialmente para quem é novo no Ubuntu.

1. Configuração inicial do Ubuntu

A nova versão do Ubuntu vai te surpreender com uma nova tela de boas-vindas com um setup inicial, onde você poderá rever algumas configurações que você  fez durante a instalação e configurar algumas outras. A primeira a ser feita é dar uma olhada nestas opções:
Ubuntu 18.04 LTS Welcome1

Esta primeira tela te mostra as novidades que o GNOME traz para o sistema. Usuários acostumados ao Ubuntu 16.04 LTS, com a interface Unity, sentirão uma diferença considerável no Workflow, mas não se preocupe, ainda que estejam em locais diferentes, tudo o que você precisa ainda está lá.

2. Atualize o seu sistema

Atualizações adicionais para o Ubuntu 18.04 LTS podem ter sido lançadas desde que você fez a instalação. Para descobrir se correções de segurança ou de bugs estão esperando por você, basta verificar por atualizações manualmente.

Para isso, pressione a tecla Super (Windows) ou clique no botão “apps” na parte inferior do dock lateral para abrir o menu de aplicativos e procure por Atualizador de programas. Inicie o aplicativo para verificar se há atualizações e instale todas as que estão disponíveis.

Ou se você preferir atualizar o Ubuntu por terminal digite:

sudo apt update
sudo apt upgrade

3. Ative os codecs de mídia

O Ubuntu oferece a instalação de codecs de terceiros, extras restritos (como o plugin do Adobe Flash) e drivers proprietários automaticamente como parte do processo de instalação. Mas se você não notar a caixa de seleção durante a instalação (ou esqueceu disso completamente), não poderá reproduzir arquivos MP3 ou assistir a vídeos online de alguns sites até instalar tudo que é necessário. Para instalar codecs multimídia clique aqui.

Agora existe uma sessão na Central de aplicativos destinada especialmente para isso.
Abra a loja de aplicativos; você encontrará a mesma na barra lateral ou buscando no menu por “Programas“, “gnome software” ou ainda “loja“. Uma vez localizada e aberta clique na categoria “complementos“.
instalar codecs ubuntu 18.04 LTS1

Nesta sessão você encontrará a aba “codecs” onde você encontrará todos os codecs disponíveis para fácil instalação, fique à vontade e instale todos os que você precisar, se tiver dúvidas, instale todos, nesse caso melhor pecar pelo excesso do que pela falta.

instalar codecs ubuntu 18.04 LTS2

4. Habilite “Minimizar ao clicar” para a Dock do Ubuntu

A dock do Ubuntu (a barra de tarefas que fica no lado esquerdo da tela) torna fácil abrir, gerenciar e alternar entre seus aplicativos favoritos e aqueles que você está executando. Mas se você gosta de clicar no ícone do aplicativo para alternar entre minimizar e restaurar, terá que habilitar este recurso manualmente executando este comando no seu Terminal:

gsettings set org.gnome.shell.extensions.dash-to-dock click-action 'minimize'

A mudança entra em vigor instantaneamente. Você também pode mover a dock do Ubuntu para a parte inferior da tela. Para isso, vá em Configurações do sistema > Dock e defina a posição desejada no menu suspenso

5. Desbloqueie configurações ocultas com Tweaks

O aplicativo Tweaks (Ajustes) é uma ferramenta essencial para se ter no Ubuntu. Com o utilitário, é possível realizar ajustes e acessar uma variedade de configurações e opções que o painel de configurações padrão do Ubuntu não possui.

Usando o Tweaks, você pode alterar o tema do GTK, mover os botões da janela para a esquerda, ajustar o comportamento do mouse e trackpad, ativar “porcentagem de bateria” na barra superior, alterar as fontes do sistema, gerenciar extensões do GNOME e muito mais. Você pode obter o Tweaks agora mesmo no seu Ubuntu clicando aqui.

6. Instalando o tema Communitheme

Communitheme é um novo tema feito pela comunidade do Ubuntu, mas que não foi ainda colocado como tema padrão no Ubuntu 18.04.

Na Central de Programas procure por “Communitheme” e instale.

ubuntu-comunitytheme

Uma vez instalado, você precisa reiniciar o computador e na tela de login selecionar a sessão “Ubuntu with communitheme snap“.

Este pacote cria uma sessão na tela de login do Ubuntu com o novo “Communitheme” que pode ser usado tanto com Wayland como X.org.

Fonte: OMG!Ubuntu!, Diolinux,  Linux Config.orgAverage Linux.

Até a próxima!

Mensagem de travamento no Ubuntu Não foi possível obter trava /var/lib/apt/lists/lock

Nessa dica será mostrado como fazer se aparecer o problema de travamento quando se tenta atualizar ou instalar algum pacote no Ubuntu ou derivados, geralmente aparece a seguinte mensagem quando digita o comando: sudo apt update:

E: Não foi possível obter trava /var/lib/dpkg/lock – open (11: Recurso Temporariamente Indisponível)

Mas antes de corrigir é válido saber o motivo pelo o qual ele é gerado. Na maioria das vezes quando deixamos o computador desligado ao ligar e conectar automaticamente à internet, o seu sistema vai em busca de atualizações de forma automática, essa trava é do seu apt, ele precisa fazer isso para poder atualizar todas as suas listas de repositórios e em seguida informar para você se há alguma atualização disponível.

Esse erro também pode acontecer quando você interrompe algum processo de atualização pela Central de Programas, pelo terminal ou quando um ciclo programado de verificação de atualizações for iniciado.

Por isso, o mais indicado é esperar terminar todo o processo de atualização. Antes de tentar tirar a mensagem de erro, entre com o seguinte comando:

sudo dpkg --configure -a

 

Como tirar a mensagem de erro.

Para destravar e tirar a mensagem: E: Não foi possível obter trava /var/lib/dpkg/lock entre no terminal e digite a seguinte comando:

sudo rm /var/lib/dpkg/lock

Com esse comando irá remover o arquivo lock que fica em /var/lib/dpkg.

Mas se a mensagem de erro for: E: Não foi possível obter trava /var/lib/apt/lists/lock – open (11: Recurso temporariamente indisponível) E: Impossível criar acesso exclusivo ao directório /var/lib/apt/lists/

Digite o comando abaixo:

sudo rm /var/lib/apt/lists/lock

 

Atualizar os repositórios e o sistema.

Agora, vamos solicitar que os repositórios de softwares sejam atualizados:

sudo apt update

Agora, caso você tenha o intuito de atualizar o seu sistema execute o comando abaixo:

sudo apt upgrade

Fonte: Boson Treinamentos.

Fonte: Sempre Update, Diolinux.

Até a próxima!

Desabilitando os efeitos do Gnome Shell

Nesse post será mostrado como desativar (desligar) os efeitos da interface para deixá-la mais leve.

Obs.neste exemplo será utilizado o Ubuntu 18.04 LTS. A mudança comentada neste artigo afetará simplesmente o consumo do seu chip gráfico, não afetando o consumo de RAM.

Instale o GNOME Tweak Tool

O primeiro passo para desligar os efeitos da interface é instalar a ferramenta de configuração GNOME Tweak Tool, ou simplesmente “Ajustes“, como ficou na tradução para o Português. Você encontra essa ferramenta na loja de aplicativos (GNOME Software).

Removendo os efeitos

O GNOME Shell sem os efeitos fica bem “seco”, por assim dizer, mas acho que é essa a ideia mesmo, não? Para remover os efeitos, abra o GNOME Tweak Tool e na sessão “Aparência” simplesmente deslize o interruptor para desligar os efeitos da interface, a mudança é instantânea:

Gnome Tools

 

Ao fazer um essa mudança em um computador com 4 GB de RAM e uma Intel HD Graphics a usabilidade do computador melhorou consideravelmente, vale a pena fazer o teste.

Fonte: Diolinux

Até a próxima!

Instalando Plank no Ubuntu

Plank pode ser uma dock bem simples. O objetivo é fornecer apenas o que é necessário em uma dock e absolutamente nada mais. Ela, no entanto, é uma biblioteca que pode ser estendida para criar outros programas de dock com recursos mais avançados.

Ub Mate 1

Instalando o Plank.

  1. O Plank se encontra dos repositórios do Ubuntu, mas se você quiser ter as versões mais recentes, adicione a PPA, entre no terminal e digite o seguinte comando:
sudo add-apt-repository ppa:ricotz/docky

2. Depois de digitar sua senha e pressionar ENTER, execute os comandos para atualizar e instalar o Plank:

sudo apt update
sudo apt install plank

 

Adicionar o Plank ao iniciar o Ubuntu

Para adicionar o Plank para que ele inicie junto com o sistema entre no menu e procure por Preferências/Aplicativos de sessão e adicione uma entrada para o Plank com o comando “plank” sem as aspas como na imagem abaixo:

Ub Mate 2

Removendo Plank.

O PPA pode ser removido acessando o menu e depois ir em Programas & Atualizações -> Outros programas, e para remover o Plank, execute o comando:

sudo apt remove plank

Obs.: nesse exemplo usei o Ubuntu Minimal com o Mate como ambiente gráfico.

Fonte: UbuntuHandBook

Até a próxima!