Como atualizar Solus OS

Nesse post será mostrado como atualizar o Solus OS, através de comando e também pela parte gráfica.

Assim que é iniciado o Solus pela primeira vez aparece uma notificação na área do trabalho com a mensagem “Atualizações de segurança disponíveis“, clicando em “Abrir a Central de Programas“, será direcionado para a Central de Programas.

Captura de tela 1
Imagem do Solus Mate 4

Central de Programas (Software Center)

A Central de Programas do Solus mostra três categorias de atualizações importantes: Requeridas (Required Updates), Segurança (Security Updates) e Outros (Other Updates).

Solus-1

Para atualizar pela Central de Aplicativos, vá no Menu/Configurações do Sistema/Software Center, com o programa aberto, clique em Atualizações, então é feito uma verificação por novas atualizações.

 

Comando

Solus-2

Você pode atualizar seu sistema usando o seguinte comando:

sudo eopkg upgrade

Até a próxima!

Desabilitando os efeitos do Gnome Shell

Nesse post será mostrado como desativar (desligar) os efeitos da interface para deixá-la mais leve.

Obs.neste exemplo será utilizado o Ubuntu 18.04 LTS. A mudança comentada neste artigo afetará simplesmente o consumo do seu chip gráfico, não afetando o consumo de RAM.

Instale o GNOME Tweak Tool

O primeiro passo para desligar os efeitos da interface é instalar a ferramenta de configuração GNOME Tweak Tool, ou simplesmente “Ajustes“, como ficou na tradução para o Português. Você encontra essa ferramenta na loja de aplicativos (GNOME Software).

Removendo os efeitos

O GNOME Shell sem os efeitos fica bem “seco”, por assim dizer, mas acho que é essa a ideia mesmo, não? Para remover os efeitos, abra o GNOME Tweak Tool e na sessão “Aparência” simplesmente deslize o interruptor para desligar os efeitos da interface, a mudança é instantânea:

Gnome Tools

 

Ao fazer um essa mudança em um computador com 4 GB de RAM e uma Intel HD Graphics a usabilidade do computador melhorou consideravelmente, vale a pena fazer o teste.

Fonte: Diolinux

Até a próxima!

Criando pendrive para notebooks UEFI com Rufus

A maioria dos novos computadores desktop e notebooks estão vindo com a tecnologia UEFI, que substitui a antiga BIOS dos computadores e traz benefícios, como boot mais rápido e um setup com interface gráfica.

Porém, o modo de instalação do Linux, seja ele qual for a distribuição Ubuntu, Linux Mint, Fedora, etc. em computadores/notebooks com a tecnologia UEFI é um pouco diferente do tradicional, uma vez que o disco rígido usa a tabela de partição GUID (GPT) e não a tabela MBR padrão.

Nesse artigo vamos lhe ensinar a gravar o Linux para computadores/notebooks com a tecnologia UEFI, abordando temas como a criação do pendrive de boot e reiniciar com o pendrive criado.

Requisitos:

  • Pendrive de no mínimo 8GB;
  • O pendrive deve está formatado em GPT (tabelação GPT) e o sistema de arquivos em FAT32;
  • Baixar imagem ISO do Linux de 64 bits.

 

Preparando o pendrive:

Baixe o programa Rufus de 64 bits e execute-o.

1- Em Dispositivo, selecione o Pendrive;
2- Selecione: Imagem ISO (Somente 64 bits=x64);
3- Clique no ícone: Indique o caminho da Imagem ISO;
4- Tipo de Partição, selecione: Partição GPT para UEFI;
5- Sistema de Arquivos, selecione: FAT32 (Default);
6- Tamanho de cluster, selecione: 8192 bytes (Default);
7- Nomeie o Pendrive (Opcional);
8- Opções de formatação: Marque somente a segunda, a terceira e a quarta;
9- Clique no botão Iniciar.

 

rufus 2

Dar o boot com o pendrive:

Dê o boot no computador a partir do pendrive. Você pode definir a “ordem de boot” a partir do setup da BIOS do seu computador/notebook. Em alguns casos pode ser necessário também desabilitar a opção “Secure Boot” no setup da BIOS.

Além disso, certifique-se que o modo UEFI está ativado na BIOS de seu notebook ou computador para que o mesmo reconheça o pendrive inicializável que você criou com a “partição GPT para computadores UEFI“.

Obs.: Tanto a versão do sistema quanto a ISO do Linux baixada devem ser de 64 bits.

Até a próxima!

 

Como habilitar o RPM Fusion no Fedora 27

Nesse post será colocado como habilitar os repositórios RPM Fusion para o Fedora 27.

O que são repositórios?

O Linux possui maneiras diferentes de instalar um software. Uma delas é através dos repositórios. De uma maneira bem simples, repositórios são servidores que armazenam os pacotes (softwares) online. Esses repositórios são utilizados não apenas para a instalação de um software, mas também, para mantê-lo sempre atualizado.

Por exemplo: se eu baixar um software e instalar no meu computador, eu terei aquela mesma versão do software para sempre. Se eu instalar um software utilizando um repositório, sempre que lançar uma nova versão nos repositórios, eu serei notificado e terei a possibilidade de atualizá-lo sem a necessidade de reinstalá-lo novamente.

O RPM Fusion é um repositório e, é dividido em dois (free e nonfree).

O que é o RPM Fusion?

O RPM Fusion são repositórios que fornecem softwares que o Projeto Fedora ou o Projeto Red Hat não fornecem por algum motivo particular (provavelmente, comercial). O RPM Fusion fornece esses softwares como RPMs pré-compilados para todas as versões atuais do Fedora e versões atuais do Red Hat Enterprise Linux ou clones; você pode usar os repositórios RPM Fusion com ferramentas como yum, dnf e PackageKit.

RPM Fusion é uma fusão do Dribble, Freshrpms e Livna; o objetivo é simplificar a experiência do usuário final, agrupando o máximo possível de softwares adicionais em um único local (repositório).

O RPM Fusion é dividido em dois repositórios, o free (código aberto) e o nonfree (código proprietário).

  1. O repositório free, é para softwares de código aberto (conforme definido pelas Diretrizes de Licenciamento do Fedora) que o projeto Fedora não pode fornecer (falado anteriormente);

  2. O repositório nonfree, é para softwares que não são de Código Aberto (conforme definido pelas Diretrizes de Licenciamento do Fedora); isso inclui software com código-fonte publicamente disponível que tem restrições do tipo  “sem uso comercial”.

 

Para habilitar siga os seguintes passos.

  1. Abra um terminal;
  2. Entre em modo root;
  3. Copie e cole (ou digite) a linha de comando abaixo.
dnf install https://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm https://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm

Responda y e pressione ENTER para continuar. Em poucos instantes, os repositórios RPM Fusion estarão habilitados.

Após habilitar os repositórios RPM Fusion, rode o comando abaixo para uma atualização e para manter atualizado os seus pacotes:

dnf update

Fonte:

Até a próxima!