Dicas de pós-instalação do Fedora 28

Sempre que terminamos de instalar uma distribuição linux nesse caso o Fedora 28, é importante fazer algumas configurações para deixar o sistema ainda melhor, ”E agora o que eu faço?, por onde eu começo?”.Nesse tutorial veremos o que tem de mais essencial para dar o ponto de partida no nosso SO, então vamos lá…

Atualizando os pacotes do sistema

Digite o comando como root:

dnf update

Habilitar o Delta RPM

O DNF oferece um conjunto de módulos que você pode ativar no seu sistema.

Um dos melhores entre estes é DeltaRPM. O que o DeltaRPM faz é que ele permite recuperar apenas as diferenças entre os pacotes instalados em seu sistema e os pacotes recém-disponibilizados por meio de atualizações.

Em outras palavras, em vez de baixar o pacote completo do Firefox 60 (por exemplo) para atualizar do Firefox 59, você só baixa os arquivos novos e modificados. Dessa forma, você pode economizar até 90% do tráfego de download ao atualizar seu sistema. Isso, no entanto, pode afetar sua carga de CPU ao executar atualizações.

Primeiro instale o pacote Delta RPM como o comando:

sudo dnf install deltarpm

Após terminar a instalação execute o seguinte comando:

sudo gedit /etc/dnf/dnf.conf

Obs.: no exemplo foi usado o editor de textos Gedit, mas pode-se usar outros.

No arquivo que se abre, adicione a linha deltarpm=1 no final do arquivo:

Salve o arquivo.

Habilitar o RPM Fusion

O que é o RPM Fusion?

RPM Fusion são repositórios que fornecem softwares que o Projeto Fedora ou o Projeto Red Hat não fornecem por algum motivo particular (provavelmente, comercial). O RPM Fusionfornece esses softwares como RPMs pré-compilados para todas as versões atuais do Fedora e versões atuais do Red Hat Enterprise Linux ou clones; você pode usar os repositórios RPM Fusion com ferramentas como yumdnf e PackageKit.

RPM Fusion é uma fusão do DribbleFreshrpms e Livna; o objetivo é simplificar a experiência do usuário final, agrupando o máximo possível de softwares adicionais em um único local (repositório).

RPM Fusion é dividido em dois repositórios, o free (código aberto) e o nonfree (código proprietário).

  1. O repositório free, é para softwares de código aberto (conforme definido pelas Diretrizes de Licenciamento do Fedora) que o projeto Fedora não pode fornecer (falado anteriormente);

  2. O repositório nonfree, é para softwares que não são de Código Aberto (conforme definido pelas Diretrizes de Licenciamento do Fedora); isso inclui software com código-fonte publicamente disponível que tem restrições do tipo  “sem uso comercial”.

Para habilitar siga os seguintes passos.

  1. Abra um terminal;
  2. Entre em modo root;
  3. Copie e cole (ou digite) a linha de comando abaixo.
dnf install https://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm https://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm

Responda y e pressione ENTER para continuar. Em poucos instantes, os repositórios RPM Fusionestarão habilitados.

Após habilitar os repositórios RPM Fusion, rode o comando abaixo para uma atualização e para manter atualizado os seus pacotes:

dnf update

Fonte: The FOSS Post.

Até a próxima!

Anúncios

Dicas de pós instalação para o Ubuntu 18.04

A Canonical anunciou oficialmente no dia 26 de abril o Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver) que chega com diversas novidades e melhorias. Para deixar tudo ainda melhor, separamos para você algumas dicas para se fazer após instalar o novo Ubuntu, que vão desde sugestões de bom senso e ajustes bacanas a conselhos úteis. Isso é ótimo especialmente para quem é novo no Ubuntu.

1. Configuração inicial do Ubuntu

A nova versão do Ubuntu vai te surpreender com uma nova tela de boas-vindas com um setup inicial, onde você poderá rever algumas configurações que você  fez durante a instalação e configurar algumas outras. A primeira a ser feita é dar uma olhada nestas opções:
Ubuntu 18.04 LTS Welcome1

Esta primeira tela te mostra as novidades que o GNOME traz para o sistema. Usuários acostumados ao Ubuntu 16.04 LTS, com a interface Unity, sentirão uma diferença considerável no Workflow, mas não se preocupe, ainda que estejam em locais diferentes, tudo o que você precisa ainda está lá.

2. Atualize o seu sistema

Atualizações adicionais para o Ubuntu 18.04 LTS podem ter sido lançadas desde que você fez a instalação. Para descobrir se correções de segurança ou de bugs estão esperando por você, basta verificar por atualizações manualmente.

Para isso, pressione a tecla Super (Windows) ou clique no botão “apps” na parte inferior do dock lateral para abrir o menu de aplicativos e procure por Atualizador de programas. Inicie o aplicativo para verificar se há atualizações e instale todas as que estão disponíveis.

Ou se você preferir atualizar o Ubuntu por terminal digite:

sudo apt update
sudo apt upgrade

3. Ative os codecs de mídia

O Ubuntu oferece a instalação de codecs de terceiros, extras restritos (como o plugin do Adobe Flash) e drivers proprietários automaticamente como parte do processo de instalação. Mas se você não notar a caixa de seleção durante a instalação (ou esqueceu disso completamente), não poderá reproduzir arquivos MP3 ou assistir a vídeos online de alguns sites até instalar tudo que é necessário. Para instalar codecs multimídia clique aqui.

Agora existe uma sessão na Central de aplicativos destinada especialmente para isso.
Abra a loja de aplicativos; você encontrará a mesma na barra lateral ou buscando no menu por “Programas“, “gnome software” ou ainda “loja“. Uma vez localizada e aberta clique na categoria “complementos“.
instalar codecs ubuntu 18.04 LTS1

Nesta sessão você encontrará a aba “codecs” onde você encontrará todos os codecs disponíveis para fácil instalação, fique à vontade e instale todos os que você precisar, se tiver dúvidas, instale todos, nesse caso melhor pecar pelo excesso do que pela falta.

instalar codecs ubuntu 18.04 LTS2

4. Habilite “Minimizar ao clicar” para a Dock do Ubuntu

A dock do Ubuntu (a barra de tarefas que fica no lado esquerdo da tela) torna fácil abrir, gerenciar e alternar entre seus aplicativos favoritos e aqueles que você está executando. Mas se você gosta de clicar no ícone do aplicativo para alternar entre minimizar e restaurar, terá que habilitar este recurso manualmente executando este comando no seu Terminal:

gsettings set org.gnome.shell.extensions.dash-to-dock click-action 'minimize'

A mudança entra em vigor instantaneamente. Você também pode mover a dock do Ubuntu para a parte inferior da tela. Para isso, vá em Configurações do sistema > Dock e defina a posição desejada no menu suspenso

5. Desbloqueie configurações ocultas com Tweaks

O aplicativo Tweaks (Ajustes) é uma ferramenta essencial para se ter no Ubuntu. Com o utilitário, é possível realizar ajustes e acessar uma variedade de configurações e opções que o painel de configurações padrão do Ubuntu não possui.

Usando o Tweaks, você pode alterar o tema do GTK, mover os botões da janela para a esquerda, ajustar o comportamento do mouse e trackpad, ativar “porcentagem de bateria” na barra superior, alterar as fontes do sistema, gerenciar extensões do GNOME e muito mais. Você pode obter o Tweaks agora mesmo no seu Ubuntu clicando aqui.

6. Instalando o tema Communitheme

Communitheme é um novo tema feito pela comunidade do Ubuntu, mas que não foi ainda colocado como tema padrão no Ubuntu 18.04.

Na Central de Programas procure por “Communitheme” e instale.

ubuntu-comunitytheme

Uma vez instalado, você precisa reiniciar o computador e na tela de login selecionar a sessão “Ubuntu with communitheme snap“.

Este pacote cria uma sessão na tela de login do Ubuntu com o novo “Communitheme” que pode ser usado tanto com Wayland como X.org.

Fonte: OMG!Ubuntu!, Diolinux, Linux Config.org.

Até a próxima!

Mensagem de travamento no Ubuntu Não foi possível obter trava /var/lib/apt/lists/lock

Nessa dica será mostrado como fazer se aparecer o problema de travamento quando se tenta atualizar ou instalar algum pacote no Ubuntu ou derivados, geralmente aparece a seguinte mensagem quando digita o comando: sudo apt update:

E: Não foi possível obter trava /var/lib/dpkg/lock – open (11: Recurso Temporariamente Indisponível)

Mas antes de corrigir é válido saber o motivo pelo o qual ele é gerado. Na maiorias das vezes quando deixamos o computador desligado ao ligar e conectar automaticamente à internet, o seu sistema vai em busca de atualizações de forma automática, essa trava é do seu apt, ele precisa fazer isso para poder atualizar todas as suas listas de repositórios e em seguida informar para você se há alguma atualização disponível.

Esse erro também pode acontecer quando você interrompe algum processo de atualização, ou quando um ciclo programado de verificação de atualizações for iniciado.

 

Como tirar a mensagem.

Para destravar e tirar a mensagem, entre no terminal e digite a seguinte comando:

sudo rm /var/lib/dpkg/lock

Com esse comando irá remover o arquivo lock que fica em /var/lib/dpkg.

Mas se a mensagem de erro for:

E: Não foi possível obter trava /var/lib/apt/lists/lock – open (11: Recurso temporariamente indisponível) E: Impossível criar acesso exclusivo ao directório /var/lib/apt/lists/

Digite o comando abaixo:

sudo rm /var/lib/apt/lists/lock

 

Atualizar os repositórios e o sistema.

Agora, vamos solicitar que os repositórios de softwares sejam atualizados:

sudo apt update

Agora, caso você tenha o intuito de atualizar o seu sistema execute o comando abaixo:

sudo apt upgrade

Fonte: Sempre Update, Diolinux.

Até a próxima!

Criar tabela de partição GPT em pendrive pelo KDE Partition Manager

Nesse artigo será mostrado como criar uma nova Tabela de Partição (GPT) com o programa KDE Partition Manager em pendrive para ser reconhecido e utilizado em notebooks/computadores com UEFI.

Criando uma nova Tabela de Partição

Clique no Menu/Sistema/Gerenciador de Partições do KDE, e digite a senha de root. Quando abrir o programa selecione o pendrive e no menu clique em Dispositivo/Nova Tabela de partições.

Screenshot_1

Escolha o tipo de tabela de partição, escolha GPT, clique em Criar nova tabela de partições.

Screenshot_2

Clique em Aplicar.

Screenshot_3

Clique em Aplicar as operações pendentes.

Screenshot_4

Pronto! O pendrive está com uma nova Tabela de partição em GPT.

Screenshot_5

Formatando o pendrive

Para formatar o pendrive para o sistema de arquivos FAT32, clique na partição com o botão direito do mouse e selecionar Novo.

Screenshot_6

Em Sistema de arquivos, selecione FAT32 e OK.

Screenshot_7

Clique em Aplicar.

Screenshot_8

Clique em Aplicar as operações pendentes.

Screenshot_9

Pronto! o pendrive está com uma nova partição em FAT32.

Agora o seu pendrive está com uma nova Tabela de Partição e formatado, o próximo passo é criar um pendrive de boot com uma distribuição a sua escolha.

Saber se o pendrive está em GPT

Para verificar se o pendrive está em GPT, entre com o seguinte comando como root:

parted -l

Leia também: KDE Partition Manager

Criando um pendrive de boot

Para criar um pendrive de boot com uma distribuição linux (Ubuntu, Fedora, OpenMandriva, etc.), use o programa Fedora Media Writer.

Até a próxima!

Criar tabela de partição GPT em pendrive pelo Gnome Disks

Nesse artigo será mostrado como criar uma nova Tabela de Partição (GPT) em pendrive para ser reconhecido e utilizado em notebooks/computadores com UEFI.

Criando uma nova Tabela de Partição

Passo 1. Clicar no pendrive correspondente e clicar na parte em vermelho como mostra a imagem, depois clicar em Formatar disco.

lubuntu next 1

Passo 2. Em Apagar: Não sobrescrever dados existentes (Rápido)

Passo 3. Em Particionamento: Compatível com sistemas modernos e discos rígidos > 2 TB (GPT)

Passo 4. Clicar em Formatar.

lubuntu next 2

Passo 5. Para confirmar clique em Formatar.

lubuntu next 3

Pronto! O pendrive já está com a nova Tabela de Partição em GPT, que pode ser utilizado em notebooks/computadores com UEFI.

lubuntu next 4

Saber se o pendrive está em GPT

Para verificar se o pendrive está em GPT, entre com o seguinte comando como root:

parted -l

Criando um pendrive de boot

Para criar um pendrive de boot com uma distribuição linux (Ubuntu, Fedora, OpenMandriva, etc.), use o programa Gnome Disks ou MintStick.

Até a próxima!